Doces Lembranças (fábula)

19-11-2011 13:52

    Sempre digo... se eu fosse escrever um livro... escreveria minhas lembranças, doces lembranças...

    Aliás, fico simplesmente indignado quando pergunto, "Vocês se lembram de mim?" E alguém responde na maior cara-de-pau "Não!" Pois fique você sabendo que eu sou a vara usada por Moisés que Deus transformou em cobra quando o povo de Israel estava no Egito. Fui eu também usada na primeira das 10 pragas quando as águas se tornaram em sangue e aqueles egípcios malvados ficaram com muita sede. E também fui eu que Moisés usou para que Deus realizasse o milagre da água no deserto lá no Monte Horebe. Eu acompanhei Moisés em todos os momentos. E vejam só... Que ingratidão! Ninguém lembra de mim...

    Não! Não foi só isso não, hein!!! Eu deveria era ganhar uma medalha! Medalha de "aguentação". É isso mesmo. "Aguentação" de reclamação. Ô povinho pra reclamar de tudo! E quando terminavam de reclamar inventavam mais coisas só para não perder o costume.

    Agora vê se pode... Deus tira o povo da escravidão do Egito, faz milagres, dá pão e água à vontade, dá uma terra nova e os ingratos ainda arrumam um jeitinho para brigar com Deus. É de revoltar até pedra! Por isso que os homens nunca chegam a lugar nenhum...

    De qualquer maneira de uma coisa gostei... Pude ser um grande instrumento nas mãos de Moisés, assim como ele foi nas mãos de Deus. Sim, tenho doces lembranças dessa época.

    Só tem uma coisa que eu acho injusto: NINGUÉM NUNCA PEDIU MEU AUTÓGRAFO!!!

 

(Quézia Soares)